Jornalista é deportado para Austrália após 400 dias em prisão egípcia

Peter Greste era acusado pelo governo militar do Egito de ajudar grupos terroristas e tinha sido preso junto com outros dois jornalistas

O Estado de S. Paulo

01 de fevereiro de 2015 | 21h12

O jornalista da Al-Jazeera Peter Greste foi solto de uma prisão no Cairo neste domingo e extraditado para a Austrália, após 400 dias na prisão. Ele era acusado pelo governo militar egípcio de ajudar grupos terroristas e tinha sido preso junto com outros dois jornalistas do canal, em um caso que chamou a atenção da comunidade internacional. 

O egípcio de origem canadense Mohamed Fahmy, deve ser solto nos próximos dias e será deportado ao Canadá. Ainda não há informações sobre o terceiro membro da equipe, o egípcio Baher Mohamed.

Os três foram condenados a penas de até 10 anos de prisão por terem auxiliado a Irmandade Muçulmana.

Tudo o que sabemos sobre:
Al-JazeeraEgitoPeter Gresteterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.