Jornalista é processado por escândalo financeiro na França

O jornalista e escritor francês Denis Robert foi processado nesta quarta-feira por sua ligação com o chamado "Caso Clearstream", relativo à publicação de uma falsa lista de contas bancárias com nomes de políticos e empresários.Os juízes que investigam o caso decidiram processar Robert depois de um interrogatório de dez horas. Os supostos delitos pelos quais foi processado são os de "acobertamento de objeto roubado" e "abuso de confiança", e têm origem em artigos escritos pelo jornalista e em um livro publicadopor ele em junho.O jornalista é o quarto indiciado no caso. Antes dele, foram processados o ex-vice-presidente da EADS Jean-Louis Gergorin, o analista de sistemas Imad Lahoud e o auditor Florian Bourges.Robert declarou que recebeu de Bourges a lista de contas da Clearstream, que este tinha levado ilegalmente durante uma auditoria na sociedade financeira.Afirmou que, sem que ninguém soubesse, a lista foi manipulada posteriormente por Lahoud para fingir que várias pessoas tinham contas secretas na sociedade, com dinheiro que podia ser originário de comissões ilegais.O jornalista disse que se considera vítima da luta entre facções do partido no poder na França, a União por um Movimento Popular (UMP).O caso Clearstream tem uma dimensão política, pois entre os supostos falsos donos de contas está o atual ministro do Interior e candidato à presidência, Nicolas Sarkozy.Também está envolvido no caso, o primeiro-ministro do país, Dominique de Villepin, que deporá à Justiça como testemunha para esclarecer sua incumbência de investigar secretamente o general Philippe Rondot, ex-responsável dos serviços secretos do Ministério da Defesa. A titular do mesmo ministério, Michèle Alliot-Marie, depôs há algumas semanas sobre o mesmo assunto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.