Jornalista filipina é libertada após três meses

A jornalista filipina Arlyn de la Cruz, de 32 anos, desaparecida há três meses, foi libertada na madrugada de hoje na ilha de Jolo, no sul do país. Ela estava em poder de rebeldes muçulmanos. Foi capturada quando tentava entrevistar os missionários americanos Martin e Gracia Burnham, que haviam sido seqüestrados pela milícia separatista islâmica de Abu Sayyaf, e que ela própria já havia ouvido em primeira mão. Conforme o exército filipino, a libertação de Arlyn foi negociada pela senadora Loren Legarda, mas os detalhes da transação não foram revelados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.