Jornalista holandês quer ser condenado por comer chocolate

Um jornalista holandês pediu a uma corte de Amsterdã nesta sexta-feira para ser condenado por comer chocolate, dizendo que ao comer ele se beneficia de escravidão infantil em fazendas de cacau na Costa do Marfim. O jornalista e documentarista montou a primeira fábrica de chocolate com a garantia de não utilizar trabalho escravo, chamada de Tony´s Chocolonely.Teun van de Keuken, de 35 anos, está tentando ser condenado para aumentar a consciência dos consumidores e forçar a indústria de cacau e de chocolate a tomar medidas mais duras para acabar com o trabalho infantil. "Se eu for considerado culpado desse crime, qualquer consumidor de chocolate poderá ser processado depois disso. Eu espero que as pessoas parem de comprar chocolate e afetem as vendas das grandes empresas e as leve a fazer algo sobre o problema", declarou van de Keuken. A Costa do Marfim, maior produtora mundial de cacau, tem sido abalada pela instabilidade desde uma breve guerra civil em 2002. O país é acusado por grupos internacionais de direitos humanos de usar crianças como escravas em plantações de cacau. Van de Keuken iniciou sua tentativa de ser acusado de comer chocolate há dois anos, quando um promotor público holandês decidiu que esse não é um caso para a Justiça e que o jornalista não está diretamente envolvido no negócio de cacau. Nesta sexta-feira, ele apelou da decisão diante de uma corte que deve definir o caso em abril.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.