Jornalista iraquiano foi agredido na prisão, diz juiz

O jornalista iraquiano Muntadhar al-Zeidi, que jogou seus sapatos no presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, mostra sinais de ter sido agredido, afirmou hoje o juiz Dhia al-Kinani, que investiga o caso. O magistrado afirmou que Al-Zeidi possuía hematomas ao redor dos olhos e em outras partes do olho. Al-Kinani disse que funcionários da corte "assistirão à gravação do incidente para identificar aqueles que bateram nele". O repórter foi imobilizado após lançar os sapatos em Bush no domingo, quando o líder norte-americano concedia entrevista coletiva ao lado do primeiro-ministro do Iraque, Nouri al-Maliki. Bush desviou da sapatada.Após o incidente, um dos irmãos de Al-Zeidi disse que ele foi bastante agredido na prisão. Outro irmão relatou que o jornalista parecia estar em boas condições. O preso deve ser acusado por insultar um líder estrangeiro. "Ele foi agredido e abrimos uma ação sobre isso", disse Al-Kinani". "Al-Zeidi não reclamou e pode encerrar o caso se quiser." Al-Kinani também confirmou que o jornalista escreveu uma carta de desculpas a Maliki. Pela Constituição iraquiana, o presidente pode conceder perdão a presos se solicitado pelo primeiro-ministro.Milhares de iraquianos realizaram manifestações pela libertação de Al-Zeidi. Em outros países árabes também houve protestos contra a prisão. O juiz disse que a investigação será encerrada e enviada a uma corte criminal no domingo. Em seguida será estabelecida a data para uma audiência no caso. Na capital iraniana, Teerã, o aiatolá Ahmad Jannati elogiou o ato durante as preces de hoje, qualificando-o como a "Intifada do sapato". Jannati sugeriu que as pessoas carregassem sapatos durante as manifestações contra os EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.