Jornalista japonesa morre durante cobertura dos conflitos em Aleppo, Síria

Mika Yamamoto tinha 45 anos e trabalhava para a agência Japan Press e para a Nihon TV

Agência EFE,

21 de agosto de 2012 | 02h48

TÓQUIO - A jornalista japonesa Mika Yamamoto, de 45 anos, que trabalhava para a agência de notícias "Japan Press", morreu, nesta segunda-feira, 20, na cidade de Aleppo, no norte da Síria, durante a cobertura dos confrontos entre grupos de rebeldes e as forças leais ao regime de Bashar Assad, informou um porta-voz do Ministério de Exteriores do Japão.

 

O corpo de Mika foi enviado a um posto de controle da fronteira com a Turquia, onde a Embaixada do Japão confirmou a identidade da jornalista. O Ministério das Relações Exteriores detalhou que no momento em que foi atingida em Aleppo, segunda cidade do país, Yamamoto estava acompanhada do colega de profissão Kazutaka Sato, também funcionário da "Japan Press". Ambos estavam na Síria desde o dia 14 de agosto e faziam a cobertura dos conflitos tanto para a agência como para a emissora japonesa "Nihon TV".

 

Mika Yamamoto era uma jornalista especializada em conflitos armados e, durante os mais de 15 anos, esteve no Afeganistão, Iraque e Uganda, tendo uma trajetória que foi reconhecida com vários prêmios, lembrou a agência "Kyodo". Nascida na província de Yamanashi (centro do Japão) em 1967, Yamamoto se graduou na Universidade de Tsuru e se uniu à agência independente de notícias "Japan Press" em 1995 após dirigir uma emissora de televisão a cabo.

 

Pelo menos 25 profissionais dos meios de comunicação morreram na Síria desde o início de 2012, segundo os dados publicados em agosto pela organização Press Emblem Campaign, enquanto no último mês outros oito jornalistas estrangeiros ficaram feridos em Aleppo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.