Middle East Monitor / Reuters
Middle East Monitor / Reuters

Jornalista saudita Jamal Khashoggi foi estrangulado e desmembrado, diz procuradoria turca

Declaração é a primeira a confirmar como aconteceu o assassinato do colunista do Washington Post em Istambul, morto em 2 de outubro

O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2018 | 12h57

ANCARA - Um promotor turco afirmou nesta quarta-feira, 31, que o jornalista saudita Jamal Khashoggi foi estrangulado como parte de uma morte premeditada assim que entrou no consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia. Em seguida, o corpo de Khashoggi teria sido desmembrado e descartado.

Em nota, o escritório do Procurador-Geral de Istambul, Irfan Fidan, também afirmou que discussões com o promotor saudita Saud al-Mojeb terminaram sem “resultados concretos” apesar da “boa-vontade nos esforços” da Turquia em revelar a verdade.

A nota do procurador é a primeira confirmação por parte de uma autoridade da Turquia de que Khashoggi foi estrangulado e desmembrado dentro da representação diplomática saudita em Istambul.

Também nesta quarta-feira, a mídia turca disse que al-Mojeb está em Istambul para se encontrar com agentes de inteligência do país e discutir a morte do jornalista. A agência de notícias DHA diz que o saudita fez uma visita durante a madrugada à agência turca de inteligência, em Istambul.

A Turquia tenta extraditar os 18 suspeitos detidos na Arábia Saudita pelo assassinato de Khashoggi no consulado, onde ele entrou em 2 de outubro para buscar papéis necessáriospara casar com a sua noiva, nascida na Turquia.

O governo de Erdogan pressiona o reino saudita por informações sobre os restos mortais de Khashoggi, que ainda não foram achados, assim como para saber quem ordenou o assassinato.

Autoridades da Arábia Saudita disseram que o reino julgará os 18 suspeitos e os levará ao tribunal depois que a investigação estiver completa. /AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.