Jornalista volta aos EUA após 82 dias seqüestrada no Iraque

Jill Carroll, jornalista americana do jornal The Christian Science Monitor, libertada após 82 dias de seqüestro no Iraque, voltou hoje a seu país a bordo de um vôo comercial para Boston.Carroll, de 28 anos, chegou a Boston em um avião da companhia aérea alemã "Lufthansa" procedente de Frankfurt, na Alemanha.Segundo vários colegas de profissão de Carroll, que a acompanharam no trajeto, a jornalista está "animada" e com "muita vontade" de ver sua família.A jornalista não quis fazer comentários sobre o seqüestro durante o vôo. Ela deixou o aeroporto de Boston em uma limusine preta, que foi escoltada pela Polícia Estadual e foi para a sede do Monitor.LiberdadeCarroll foi libertada nesta quinta-feira, 30, depois de quase três meses no cativeiro. Ela foi seqüestrada em 7 de janeiro, no oeste de Bagdá, por homens armados que mataram seu intérprete quando eles se dirigiram para um encontro com um oficial sunita em um dos bairros mais perigosos da cidade.A jornalista deixou a Base Aérea Ramstein na Alemanha no sábado, após chegar de Bagdá. Ela negou enfaticamente as declarações que fez no cativeiro no Iraque e logo após sua libertação, dizendo que estava sendo ameaçada. "Por medo, eu disse que não estava sendo ameaçada. Na verdade, eu fui ameaçada várias vezes", disse a jornalista, em comunicado divulgado ontem.Os seqüestradores, que se intitulam de Brigadas da Vingança, exigiram a libertação de todas as presas no Iraque, em 26 de fevereiro, em troca da vida de Carroll. Autoridades norte-americanas libertaram algumas prisioneiras, mas disseram que isso não tinha relação com a exigência do grupo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.