Jornalistas criticam Israel pela morte de repórter palestino

A organização internacional Repórteres Sem Fronteiras criticou nesta quarta-feira o Exército israelense pela morte de um jornalista palestino na cidade de Ramallah, Cisjordânia, na semana passada, afirmando que tal ato poderia ser considerado "uma séria violação" das leis internacionais. Segundo o grupo, que trabalha pela proteção de jornalistas em todo o mundo, o repórter palestino Issam Tilawi estava vestindo uma jaqueta que o identificava como sendo da imprensa quando levou uma bala na cabeça.O tiro, de acordo com a organização, foi disparado por um franco-atirador israelense. "As tropas do Exército israelense se beneficiam de um sentimento de quase total imunidade", disse o secretário-geral do grupo, Robert Menard, em uma carta enviada ao ministro da Defesa de Israel, Binyamin Ben-Eliezer. "Enquanto isso, jornalistas palestinos arriscam suas vidas todos os dias ao cumprirem com seu trabalho se utilizando de pouco equipamento apropriado". A organização disse também que o assassinato parece ter sido uma "séria violação" das Convenções de Genebra.O Exército israelense afirmou que houve vários confrontos em Ramallah na noite do dia 21, e que soldados abriram fogo em resposta a disparos de tiros em sua direção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.