Jornalistas da "Fox News" deixam Gaza rumo a Jerusalém

Os dois jornalistas da rede de televisãoamericana "Fox News", que permaneceram seqüestrados em Gaza por 13dias, partiram neste domingo rumo a Jerusalém, horas depois de serem postosem liberdade. O jornalista Steve Centanni, americano de 60 anos, e ocinegrafista Olaf Wiig, neozelandês de 36, foram libertados aomeio-dia de hoje (hora local), 13 dias após serem seqüestrados porum grupo até agora desconhecido chamado Brigadas da Sagrada Jihad. Segundo testemunhas, um automóvel levou os jornalistas até aporta do hotel Beach, na Cidade de Gaza, em frente ao qual haviamsido seqüestrados, e desapareceu em seguida. Os jornalistas entraram no hotel e disseram a um recepcionistaque eram os correspondentes da "Fox News" e que acabavam de serLibertados. O hotel avisou imediatamente à Polícia, ao primeiro-ministropalestino, Ismail Haniyeh, que se encarregou pessoalmente doassunto, e à mulher de Wiig, que permaneceu em Gaza durante a crise. O ministro do Interior, Said Siyam, que foi junto com Haniyehquem liderou os esforços para conseguir a libertação doscolaboradores da "Fox News", explicou que uma das facçõespalestinas, o Comitê da Resistência Popular, tinha intermediado oCaso. Um porta-voz do Ministério do Interior informou ontem que estavaem contato com os seqüestradores por meio de uma terceira partepalestina, mas assinalou que não estava negociando nada. Em troca da libertação dos jornalistas, os seqüestradores pediama soltura de todos os muçulmanos detidos nos Estados Unidos. Siyam disse à imprensa que o seqüestro "danificou seriamente areputação dos palestinos" e expressou a esperança de que "não hajamais incidentes deste tipo". O cinegrafista da Fox expressou sua "preocupação com apossibilidade de os jornalistas estrangeiros deixarem de ir a Gazapara cobrir a causa e o sofrimento palestinos". "A história de vocês não chegará ao mundo se mais jornalistasforem seqüestrados", advertiu Wiig. O neozelandês disse que estava feliz de estar livre e de ver suamulher, mas preocupado com os palestinos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.