Ted Shaffrey/AP
Ted Shaffrey/AP

Jornalistas da Fox News pedem demissão por especial sobre invasão do Capitólio

Jonah Goldberg e Stephen Hayes eram estrelas do movimento conservador pré-Trump; documentário de Tucker Carlson, ‘Patriot Purge’, motivou desligamentos

Ben Smith, The New York Times, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2021 | 17h34

Quando a Fox lançou o trailer de Patriot Purge, um especial sobre a invasão, em 6 de janeiro, do Capitólio americano, os jornalistas Jonah Goldberg e Stephen Hayes decidiram que já bastava.

“Estou tentando deixar a Fox por causa disso”, escreveu Jonah Goldberg ao parceiro de negócios, Stephen Hayes, no dia do lançamento, 27 de outubro. "Estou no jogo", respondeu Hayes. “Totalmente ultrajante. Isso vai levar à violência. Não tenho certeza de como podemos ficar.” 

Dias depois, o especial completo, comandado pelo apresentador trumpista Tucker Carlson, apareceu no serviço de streaming por assinatura online da Fox. Na semana passada, os dois homens, ambos funcionários da Fox News, formalizaram suas demissões.

De certa forma, suas saídas não deveriam ser surpreendentes: elas fazem parte da operação de expurgo que a nova direita conduz nos cantos das instituições conservadoras que ainda abrigam bolsões de resistência ao controle de Donald Trump sobre o Partido Republicano.

Goldberg, ex-redator da National Review, e Hayes, ex-redator do Weekly Standard, eram estrelas do movimento conservador pré-Trump. Eles claramente estabeleceram suas posições em 2019 quando fundaram o The Dispatch, uma publicação online que descreveram como “um lugar onde leitores atenciosos podem vir para obter notícias e comentários conservadores e baseados em fatos”. A plataforma tem quase 30 mil assinantes.

Suas saídas também marcam o fim de uma esperança compartilhada por alguns funcionários da Fox News -- por mais estranho que pareça para quem vê de fora -- de que o canal em algum momento retornaria a uma realidade pré-Trump: hiper partidária, mas  capaz de se distanciar de alguns republicanos. O presidente da empresa, Rupert Murdoch, atacou recentemente o Trumpismo, agindo como se não dirigisse a empresa -- como Tim O’Brien, da Bloomberg, observou. 

A realidade da Fox e de instituições semelhantes é que muitos de seus líderes sentem que o vínculo estreito entre Trump e seu público lhes deixa pouca escolha a não ser seguir em frente, independentemente do que acreditem. Os funcionários da Fox costumam falar disso em termos de "respeito ao público". E em uma era polarizada, as maiores oportunidades de audiência, dinheiro e atenção, como os políticos e os meios de comunicação de esquerda e direita demonstraram, estão nas bordas extremas da política americana.

Carlson se tornou o apresentador do horário nobre mais assistido da rede ao jogar explicitamente para as extremidades da direita, e Patriot Purge -- por meio de insinuações e imagens -- explorou uma história alternativa de 6 de janeiro em que a violência era uma "bandeira falsa" e a conseqüência foi a perseguição aos conservadores.

Goldberg disse que ele e Hayes permaneceram na Fox News porque, após conversas na Fox, sentiram que a rede tentaria recuperar parte de sua independência após a derrota de Trump, “endireitando o navio”.

Patriot Purge foi um sinal de que as pessoas fizeram as pazes com essa direção das coisas, e não há nenhum plano, pelo menos não que eu tenha sido informado, para uma correção de curso”, disse Goldberg.

Hayes, de 51 anos, e Goldberg, de 52, se juntaram à Fox News em 2009. À época, eles eram os principais atores ideológicos do movimento conservador, que se afastava bastante dos anos de George W. Bush. Hayes havia defendido a invasão do Iraque no The Weekly Standard, enquanto Goldberg acabara de publicar um livro chamado Fascismo Liberal.

Eles agora se encontram em um grupo de americanos que pensam que a ameaça que Trump representa para o sistema democrático dos Estados Unidos supera muitas diferenças políticas. Hayes disse que estava particularmente preocupado com o apoio da Fox à ideia de "que há uma guerra doméstica contra o terrorismo". "Isso não é verdade”, disse ele. 

Hayes disse que ficou particularmente perturbado recentemente quando um homem em uma conferência do grupo pró-Trump Turning Point USA perguntou ao seu líder: "Quando vamos usar as armas?"

“É um momento assustador”, disse Hayes. “E acho que faríamos bem em ter pessoas que, no mínimo, não estão divulgando coisas que encorajam esse tipo de coisa.”

De sua parte, Goldberg disse que tem pensado em William F. Buckley, o falecido fundador da National Review, que viu como parte de sua missão “impor seriedade aos argumentos conservadores” e eliminar alguns grupos marginais extremistas, incluindo o John Birch Sociedade.

“Quer se trate de Patriot Purge ou de (movimentos) antivaxx, não quero que isso seja feito em meu nome. Quero denunciar e criticar”, disse Goldberg. “Não quero sentir que estou traindo a confiança que tinha por ser um colaborador da Fox News. E também não quero ser acusado de não ter lutado contra isso. Era uma tensão insustentável para mim.”

Agora, seus pontos de vista os colocaram fora da corrente dominante republicana, ou pelo menos fora do que as instituições de direita e os políticos tradicionais estão dispostos a dizer em voz alta. Mas embora nos últimos anos ambos tenham aparecido ocasionalmente no programa noturno "Special Report" e no "Fox News Sunday", que a rede classifica como noticiário, já faz anos que eles não eram bem-vindos no horário nobre da Fox, e Goldberg entrou em confronto amargo com o apresentador do horário nobre Sean Hannity em 2016. 

Apesar das esperanças dos ex-colaboradores, a programação da Fox seguiu a linha de Trump. As mudanças de pessoal, também. A rede, por exemplo, demitiu o veterano editor político que projetou com precisão a vitória de Biden no importante Estado do Arizona na noite da eleição. E contratou a ex-secretária de imprensa de Trump, Kayleigh McEnany.

Hayes e Goldberg são os primeiros membros da folha de pagamento da Fox a renunciar por causa do "Expurgo do Patriota", mas outros sinalizaram sua infelicidade. Geraldo Rivera, correspondente da Fox News desde 2001, captou a dificuldade da divergência interna na rede quando fez críticas cautelosas a Carlson e ao Patriot Purge ao jornalista Michael Grynbaum. “Isso me preocupa -- e provavelmente terei problemas por isso -- mas estou me perguntando o quanto é feito para provocar, em vez de iluminar”, disse ele.

No ar, dois programas com públicos menores do que o de Carlson correram atrás de seu especial para refutar as falsas teorias apresentadas em Patriot Purge. Relatório Especial convocou um antigo oficial da CIA em 29 de outubro para desmascarar as teorias da “bandeira falsa”. E no Fox News Sunday, Chris Wallace abordou a questão com um dos poucos inimigos de Trump na delegação republicana, a deputada Liz Cheney, de Wyoming.

Carlson chamou as renúncias de Hayes e Goldberg de "ótimas notícias" em uma entrevista por telefone no domingo. “Nossos telespectadores ficarão gratos.”

Uma porta-voz da Fox News, Irena Briganti, se recusou a comentar as demissões, mas enviou dados mostrando que eleitores independentes assistem à emissora.

Demissões como as de Hayes e Goldberg continuam raras na Fox. Os salários de contribuidores da TV a cabo são lucrativos -- geralmente têm seis dígitos ou mais -- e abrem portas para ofertas de livros e palestras. Isso significa que não há maneiras fáceis de sair sem sofrer uma redução acentuada no pagamento.

“Há muitas pessoas lá que respeito, gosto e considero amigas, e elas estão tomando uma decisão com base em como sustentar suas famílias, lidar com suas carreiras e tudo mais. E não vou questioná-loas”, disse Goldberg. “Também há muitas pessoas lá que acham a opinião da Fox incrível." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.