Jornalistas do Le Monde decidem manter a greve

O Le Monde, um dos jornais maisinfluentes da França, não estará nas bancas na quinta-feira,pois os jornalistas votaram por manter a greve iniciada nestasemana, em protesto aos planos de cortes de vagas no jornal. O representante do sindicato, Michel Delberghe, disse que aequipe votou na quarta-feira por uma paralisação imediata. Issosignifica que a edição de sexta-feira, que normalmente chegariaàs bancas francesas na tarde de quinta, não vai ser publicada. A edição de terça já foi cancelada. Desde a fundação dojornal, em 1944, esta é a segunda greve de jornalistas. Aprimeira ocorreu em 1976. Uma nova equipe administrativa pretende vender uma série detítulos de propriedade do grupo Le Monde e cortar 130 postos detrabalho do jornal, incluindo um quarto de seus 340jornalistas. O objetivo é zerar as dívidas da publicação no anoque vem. O jornal de esquerda tem uma posição única na mídiafrancesa, com coberturas importantes e amplos contatos no mundodos negócios e da política, além de manter um tom intelectual. Mas, assim como outros grupos de jornais, o Le Monde temsofrido com a parca receita, o aumento dos custos e anecessidade de se adaptar aos desafios da Internet. Em 2007,seu prejuízo foi de 10 milhões de euros (31,7 milhões dedólares). (Reportagem de Pascal Lietout)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.