, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2011 | 00h00

Os quatro jornalistas do jornal New York Times foram libertados ontem na Líbia, segundo afirmou o próprio jornal. Os profissionais foram entregues à embaixada da Turquia em Trípoli, e chegaram em segurança à Tunísia.

Anthony Shadid, ganhador de dois Pulitzer e responsável pelo escritório do jornal em Beirute, o redator Stephen Farrell, que foi sequestrado pelo Taleban em 2009 e resgatado por forças britânicas, e os fotógrafos Tyler Hicks e Lynsey Addario foram detidos pelas forças do governo seis dias atrás enquanto faziam a cobertura do conflito na Líbia. Os quatro estavam sem visto para trabalhar no país quando foram presos na cidade de Ajdabiya.

Três outros jornalistas desapareceram enquanto faziam a cobertura dos combates na Líbia. A agência de notícias France Presse disse em comunicado que não tem notícias de Dave Clark, repórter com sede em Paris, e Roberto Schmidt, fotógrafo de sua sucursal em Nairóbi, no Quênia, desde que eles enviaram um e-mail aos editores da agência, na noite de sexta-feira. Os dois profissionais eram acompanhados pelo fotógrafo Joe Raedle, da agência Getty Images. No fim de semana, eles planejavam se encontrar com rebeldes e falar com refugiados do conflito na região da cidade petrolífera de Tobruk, no leste da Líbia. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.