Jornalistas foram mortos pelo Taleban, diz ONU

Os jornalistas mortos na segunda-feira no Afeganistão foram assassinados a sangue frio por ex-combatentes do Taleban que ainda estavam presentes na área, em particular na estrada entre Jalalabad e Cabul, no noroeste do país, afirmou hoje o representante da ONU Mike Sackett, que recebeu a informação do chanceler da Aliança do Norte, Abdullah Abdullah, em Islamabad. Segundo Sackett, ainda não há detalhes sobre a morte dos jornalistas, mas ele considerou "muito provável" que a versão da Abdullah seja verdadeira. Em todo o caso, afirmou Sackett, a estrada entre Jalalabad e Cabul é notoriamente perigosa, tanto que os comboios da ONU não usam e, inclusive, caminhões afegãos procuram evitá-la. Hoje, os corpos dos jornalistas foram levados em caixões de madeira do Afeganistão para o Paquistão. Segundo a Cruz Vermelha Internacional, eles serão transferidos para um caminhão no ponto fronteiriço de Torkham e levados para a cidade paquistanesa de Peshawar. Os jornalistas são o australiano Harry Burton, o afegão Azizullah Haidari, a italiana Maria Grazia Cutuli e o espanhol Julio Fuentes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.