Jornalistas próximos ao premiê britânico são indiciados

Dois jornalistas próximos ao primeiro-ministro da Inglaterra, David Cameron, foram indiciados por conspiração por pagar autoridades públicas em troca de informações. Esse é o mais recente capítulo do escândalo relacionado aos atos ilícitos da mídia britânica.

AE - AP, Agência Estado

20 de novembro de 2012 | 13h25

A Promotoria da Coroa Britânia informou nesta terça-feira que os ex-editores de tabloides Andy Coulson e Rebekah Brooks estão entre as cinco pessoas sendo indiciadas por cometer atos ilícitos em cargos públicos. Os promotores disseram que Brooks - vizinha, amiga e aliada política de Cameron - teria conspirado com o jornalista John Kay para disponibilizar 100 mil libras à funcionária do Ministério da Defesa Bettina Barber, em troca de um constante fluxo de informações sobre o que foi publicado no jornal The Sun, de Rupert Murdoch.

Já Coulson, que até o ano passado trabalhava como o principal assessor de imprensa de Cameron, teria conspirado com o jornalista Clive Goodman para pagar autoridades pelo acesso a um diretório telefônico real conhecido como "Livro Verde".

Os britânicos ficaram revoltados quando se descobriu, no ano passado, que jornalistas do News of the World rotineiramente usavam grampos telefônicos e chantagens para obter reportagens exclusivas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.