EFE
EFE

Jornalistas são agredidos e roubados durante marcha opositora em Caracas

Fotógrafo da 'Agência Efe' e equipe da emissora venezuelana 'Globovisión' foram alvos de grupos de encapuzados enquanto acompanhavam as manifestações contra o presidente Nicolás Maduro

O Estado de S.Paulo

02 Maio 2017 | 09h33

CARACAS - Uma equipe da emissora de televisão "Globovision" e um fotógrafo da Agência Efe foram agredidos na segunda-feira enquanto faziam a cobertura das manifestações opositoras em Caracas.

O colombiano-venezuelano Miguel Gutiérrez, fotógrafo da Efe na Venezuela, saía da manifestação a bordo de uma motocicleta quando foi bloqueado junto com seu motorista por um grupo de manifestantes encapuzados, ao mesmo tempo em que tentavam tirar seus equipamentos, segundo seu próprio relato.

Gutiérrez estava equipado com um colete que lhe identificava com letras grandes como jornalista, mas o grupo de encapuzados começou a empurrá-lo e a golpeá-lo com os punhos e com um pedaço de madeira na cabeça.

O fotógrafo tentou defender-se e proteger seu equipamento fotográfico, mas os manifestantes lhe arrancaram o capacete e a máscara anti-gás, causando-lhe uma leve lesão na orelha esquerda. 

Nesse momento outro grupo de pessoas interveio, entre eles jornalistas, para deter a agressão contra o fotógrafo e o motorista. Um dos agressores pediu a Gutiérrez que mostrasse sua identificação como fotógrafo de imprensa e, nesse momento, terminou o ataque.

Por sua parte, o Sindicato Nacional de Trabalhadores de Imprensa (SNTP) informou em sua conta no Twitter que uma equipe do canal de notícias venezuelano "Globovisión" também foi atacada durante a manifestação opositora.

Em um vídeo publicado pelo SNTP nesta rede social é possível ver um grupo de manifestantes insultar e atacar a equipe. Outras equipes de meios de comunicação também reportaram tentativas de ataques durante os protestos.

A oposição venezuelana se manifestou na segunda-feira no leste e no oeste da capital para tentar chegar ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) e ao Conselho Nacional Eleitoral (CNE), ambos no centro da cidade.

Ambas manifestações foram dispersadas pelas Forças de Segurança do Estado, que impediram a passagem destes manifestantes ao centro de Caracas. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.