Jornalistas são alvos fáceis em Gênova

Os jornalistas se tornaram alvos fáceis da polícia e dos manifestantes nos conflitos que irromperam nesta sexta-feira em Gênova durante a cúpula dos países mais ricos e Rússia, e, pelo menos, três deles ficaram feridos. Um manifestante foi morto durante os distúrbios ocoridos enquanto os manifestantes tentavam romper o bloqueio em torno da "zona vermelha", fechada para proteger os líderes do encontro. O produtor da Associated Press TV News, Sam Cole, um cidadão britânico sediado em Roma, foi atingido por porretes policiais e sofreu ferimentos na cabeça. O fotógrafo de Associated Press Jerome Delay, que trabalha em Paris, sofreu fratura na costela ao ser atingido por uma barra de metal empunhada por um manifestante. Outra vítima da polícia foi um repórter da agência italiana de notícias AP.Biscom. A agência, que preferiu não fornecer o nome do repórter, limitou-se a dizer que ele estava identificado como jornalista e exibiu sua credencial de imprensa para a cúpula. A violência envolveu pequenos grupos que abriram caminho entre as dezenas de milhares de pessoas que marchavam em protesto contra a globalização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.