Jornalistas são presos nos EUA por se recusarem a divulgar fontes

A confidencialidade das fontes jornalísticas voltou a sofrer um duro golpe nos EstadosUnidos quando dois redatores do jornal "San Francisco Chronicle" foram presos por se recusarem a entregar à justiça as fontes que forneceram o depoimento do jogador de beisebol Barry Bonds.Os jornalistas Lance Williams e Mark Fainaru-Wada, responsáveispor revelar o escândalo dos Laboratórios Balco, acusado de fabricar e distribuir umanova versão de esteróides sintéticos, foram condenados a 18 meses de prisão por se negarem a divulgar suas fontes.Williams e Fainaru-Wada foram categóricos diante do juiz JeffreyWhite, encarregado do caso, quando explicaram suas convicçõesprofissionais e o direito de manter o sigilo de suas fontes, assegurado pela Constituição americana.O juiz respondeu que "ninguém está acima da lei" e que eles tinham violado alei ao publicar depoimentos de Bonds e de outros atletas, quefalaram sobre o possível consumo deesteróides e outras substâncias proibidas.Os dois jornalistas responderam desde o princípio que preferiamser presos a traírem suas fontes e seus valores morais eprofissionais. White disse que o tribunal acreditava que os jornalistasreconsiderariam sua posição quando enfrentassem a dura realidade deperder a liberdade.Livro revelou escândaloWilliams e Fainaru-Wada publicaram uma série de artigos e umlivro baseado em transcrições dos depoimentos de Bonds e de outros jogadores para o júri de instrução que investigava o caso Balco. A empresa, que supostamente produzia apenas suplementos nutricionais, estava sendo acusada de comercializar esteróides. Alguns dos diretores da Balco já cumpriram alguns meses de prisão e estão emliberdade condicional. O treinador pessoal do jogador de beisebol, Greg Anderson, também está preso, por motivo similar ao dos repórteres. Williams disse que sua obrigação era manter a promessa quefez às pessoas que o ajudaram a conseguir a informação e que nãotrairia sua palavra. "Mantenho minhas promessas quando as pessoas meajudam e confiam na minha palavra", disse no tribunal.Promotores federais pediram ao juiz White que ordene a prisão dosrepórteres enquanto durarem os trabalhos do júri que investiga ovazamento à imprensa ou até que estes aceitem depor.O vice-presidente executivo do "San Francisco Chronicle", Phil Bronstein, que esteve ao lado dos dois jornalistas otempo todo, disse que era uma tragédia prender dois profissionaisque fizeram um excelente trabalho."Precisamos de uma lei federal que proteja os jornalistas comurgência, para que não tenham que revelar suas fontes deinformação", ressaltou Bronstein.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.