Jovem admite plano para assassinar Obama

Jovem admite plano para assassinar Obama

Preso em 2008, neonazista diz que morte do então candidato democrata seria o ponto alto de complô racista

Reuters, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2010 | 00h00

WASHINGTON

O Departamento de Justiça dos EUA informou, na noite de segunda-feira, que o americano Daniel Cowart, um militante neonazista do Estado do Tennessee, acusado de planejar o assassinato de vários negros americanos em 2008, entre eles o então candidato à presidência Barack Obama, admitiu sua culpa em oito processos por ligação com os crimes.

Cowart, de 21 anos, admitiu conspirar com Paul Schlesselman, do Arkansas, em um plano para matar mais de 100 negros. Ambos se descrevem como neonazistas e foram presos em 2008 depois de uma tentativa frustrada de roubo na cidade de Jackson, no Tennessee.

O jovem declarou-se culpado por ameaçar de morte e tentar causar danos corporais a um candidato presidencial, conspiração, depredação de propriedade religiosa e por cometer vários outros crimes relacionados ao uso e porte de armas.

O companheiro de Cowart, Schlesselman, havia admitido a culpa nos crimes em janeiro. Ele será julgado no dia 15 e pode pegar uma pena de até 10 anos de prisão. Já a pena de Cowart, de acordo com o Departamento de Justiça, pode chegar a até 75 anos de reclusão.

"Apesar do grande progresso dos direitos civis, essa conspiração serve como um lembrete de que a violência alimentada pelo ódio continua a ser muito comum no nosso país", afirmou Thomas Perez, procurador da divisão de direitos civis do Departamento de Justiça. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.