Jovem é amputada para ser retirada de escombros

Médicos chineses amputaram ontem as pernas da adolescente Yang Liu, que estava presa sob blocos de concreto de sua escola, na cidade de Hanwang, três dias após o terremoto que atingiu a Província de Sichuan. Esse era o único meio de tirá-la com vida dos escombros. Momentos após a cirurgia, os médicos a retiraram da pilha de concreto e a levaram rapidamente de ambulância para um hospital na cidade vizinha de Deyang."Salvamos sua vida", disse um médico que deixava o local, ainda usando uma máscara e com o estetoscópio em volta do pescoço. "Sua condição é muito precária." Outro médico, que se identificou apenas como Wang, disse que toda a operação durou cerca de 20 minutos. "Não levou muito tempo, pois simplesmente cortaram os ossos."Logo após a cirurgia, as equipes de resgate voltaram a revirar os escombros, retirando corpos de estudantes mortos.Após o menino Zhang Jiazhi, de 11 anos, ser retirado dos escombros de sua escola em Deyang, ele e seus pais enfrentaram um novo desafio: tentar salvar seus braços, que haviam sido esmagados. O hospital mais próximo disse que não podia atendê-lo, pois sismos secundários ainda estremeciam o prédio.Vinte horas após os braços de Jiazhi serem esmagados pelos destroços - e após ele e seus pais se espremerem em uma ambulância com outras nove pessoas e esperarem em uma lotada sala de emergência de outro hospital - os médicos o operaram. Mas já era tarde. Jiazhi, que gostava de jogar pingue-pongue e fazer brinquedos de madeira para os colegas, teve seus dois braços amputados. "Pedi aos médicos que tentassem salvar sua mão direita, com a qual ele escrevia, mas era tarde demais", disse o pai, Zhang Qingyou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.