Karl-Josef Hildenbrand/dpa via AP
Karl-Josef Hildenbrand/dpa via AP

Jovem que atacou trem na Alemanha divulgou vídeo na web

Morto pela polícia após atentado que feriu quatro, ele diz que iria 'degolar apóstatas'

O Estado de S. Paulo

19 de julho de 2016 | 18h32

BERLIM - Um vídeo de autoria atribuída ao jovem afegão que atacou um trem com um machado e feriu quatro pessoas  foi divulgado na internet.  Mais cedo, O Estado Islâmico reivindicou a autorira do atentado. Uma bandeira do grupo, desenhada a mão, foi encontrada no alojamento do agressor, disse uma autoridade nesta terça-feira.

"O agressor do ataque a machadadas na Alemanha era um dos combatentes do Estado Islâmico e realizou a operação em resposta a pedidos para atacar os países da coalizão que luta contra o Estado Islâmico", de acordo com o comunicado publicado na agência Amaq, que pertence ao EI. 

O jovem de 17 anos feriu quatro passageiros antes de ser morto a tiros pela polícia na noite de segunda-feira, dias após um tunisiano jogar um caminhão contra uma multidão e matar 84 pessoas em Nice, na França.

No vídeo, cuja autenticidade ainda não foi comprovada, o jovem afegão afirma que é um dos soldados do califado. Ele aparece na tela segurando uma faca e diz que vai matar as pessoas cortar os pescoços com machados.

"Eu vivi entre vocês, entre suas casas, e planejei (o ataque) em seus próprios territórios. Vou degolar vocês em casa e nas ruas", disse. 

No vídeo, o rapaz se dirige à comunidade de fiéis muçulmanos: "Acordem, já se estabeleceu o califado. Vocês precisam jurar lealdade a Abu Bakr al-Baghdadi e emigrar a Khorasan (território que compreende Paquistão e Afeganistão)", afirmou. Se não puderem migrar, lutem contra os exércitos apóstatas em seus territórios."

Na fuga, o adolescente foi abatido, no estado federado da Baviera (sul da Alemanha), e várias testemunhas disseram que antes de agir ele teria gritado "Allahu Akbar" (Alá é grande"). / REUTERS e EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.