Kevin Hagen/The New York Times
Kevin Hagen/The New York Times

Jovem relata que foi obrigado a deixar avião no Reino Unido porque falava árabe

Adam Saleh, de origem iemenita, alega que teve de sair da aeronave após conversar em árabe com sua mãe ao telefone; companhia Delta diz que episódio foi ‘inconveniente’, mas garante que investigará o caso

O Estado de S.Paulo

22 Dezembro 2016 | 11h58

NOVA YORK - Um nova-iorquino de origem iemenita teria sido obrigado a deixar um voo da companhia aérea americana Delta na quarta-feira, pois, segundo ele, os passageiros se incomodaram pelo fato de o jovem falar árabe. Adam Saleh, de 23 anos e com mais de 2,2 milhões de seguidores no YouTube, filmou o momento em que deixou a aeronave, que faria o percurso entre Londres e Nova York, e publicou em sua conta no Twitter.

"Falamos uma língua diferente no avião e nos expulsaram", disse Saleh nas redes sociais, referindo-se a uma conversa telefônica em árabe que havia tido com a sua mãe. Ao seu redor, vários passageiros desaprovaram seu desembarque, porém ao fundo do avião, local onde ele estava inicialmente sentado, várias pessoas movimentaram as mãos com um gesto de "Adeus!".

"Vocês são racistas", disse ele aos passageiros. "Falo outra língua e vocês se sentem incomodados! Não posso acreditar nisso. Falamos outra língua e agora são seis brancos contra nós, barbudos. Sou eu que estou incomodado", afirmou. Três horas após compartilhar o vídeo em sua página, ele já havia sido retuitado mais de 200 mil vezes.

A Delta publicou um comunicado justificando o desembarque como sendo um "inconveniente dentro da cabine aérea que fez mais de 20 passageiros sentirem-se mal". A companhia garantiu que iniciou uma investigação para tentar entender as circunstâncias exatas do incidente “antes de chegar a qualquer conclusão”.

Segundo a rede CNN, um porta-voz da Delta disse que a empresa está “levando as acusações de discriminação muito seriamente”. “Nossa cultura exige tratar os outros com respeito.” A companhia também afirmou que está entrevistando membros da tripulação e passageiros. “Aparentemente, o passageiro que foi retirado estava perturbando as pessoas na cabine com um comportamento provocativo, incluindo alguns gritos”, informou um comunicado da Delta, acrescentando que o jovem, “segundo a imprensa, é conhecido por suas brincadeiras”.

Em entrevista à CNN após chegar a Nova York, Saleh manteve sua versão da história. “Você sabe o que significa 20 pessoas apontando o dedo e dizendo: ‘Tire ele daqui’? Me senti como se fosse um terrorista”, relatou ele, ressaltando que o episódio não foi uma brincadeira.

“Ele disse que estava falando com a mãe no telefone em árabe e alguém comentou que se sentia desconfortável. Depois, mais pessoas se juntaram à causa e pediram para que ele fosse retirado do avião”, disse o agente de Saleh, Naz Rahman. / AFP

 

Mais conteúdo sobre:
árabe Nova York Reino Unido Delta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.