REUTERS/Carlos Garcia Rawlins
REUTERS/Carlos Garcia Rawlins

Jovem sobreviveu ao massacre na Flórida escondendo-se em armário, igual avô fez 70 anos antes

No dia seguinte ao ataque, Carly Novell escreveu no Twitter que Charles Cohen usou a mesma tática para escapar de um assassino em 1949

O Estado de S.Paulo

21 Fevereiro 2018 | 14h57

A jovem Carly Novell, de 19 anos, sobreviveu ao massacre realizado por Nikolas Cruz a uma escola da Flórida no dia 14 pois conseguiu se esconder em um armário. Segundo informações da emissora CNN, o avô dela, Charles Cohen, escapou de um atirador em 1949 da mesma forma.

+ Estudantes marcham para pressionar políticos americanos a aprovar leis que restrinjam venda de armas

+ Atirador da Flórida comprou entre sete e dez fuzis, segundo imprensa americana

No dia seguinte à ação de Cruz no colégio Marjory Stoneman Douglas, na qual morreram 17 pessoas, Carly disse em sua conta no Twitter que era o segundo membro de sua família a sobreviver a um ataque a tiros.

+ Trump quer proibir dispositivo que torna armas mais letais

+ Robôs russos fizeram campanha virtual sobre armas após massacre na Flórida

Ela publicou uma foto de Cohen com um texto que conta a história ocorrida há sete década. “Este é o meu avô. Quando ele tinha 12 anos, escondeu-se em um armário enquanto sua família era assassinada no primeiro massacre realizado nos EUA. Quase 70 anos depois, também me escondi de um assassino em um armário. Esses acontecimentos não deveriam se repetir. Alguma coisa precisa mudar”, escreveu Carly.

De acordo com a CNN, os pais e a avó de Cohen foram mortos em sua casa em New Jersey por um homem chamado Howard Unruh, acusado de matar dezenas de pessoas. O episódio é considerado o primeiro ataque a tiros na história moderna dos EUA.

“Fiquei escondida no armário por 2 horas”, escreveu Carly no Twitter. “Isso se trata de armas. Vocês não estavam lá, não sabem como foi a sensação. As armas dão a essas pessoas asquerosas a habilidade de matar outros seres humanos. Isso se trata de armas e de todas as pessoas que tiveram suas vidas encerradas abruptamente em razão delas.”

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.