Jovem turco que matou jornalista é condenado a 22 anos

Um tribunal turco condenou nesta segunda-feira um jovem extremista de 21 anos, Ogun Samast, a 22 anos e 10 meses de prisão, por ter assassinado um jornalista de origem armênia, Hrant Dink, em janeiro de 2007. O extremista Samast foi considerado culpado por "assassinato premeditado" do jornalista, morto a tiros na frente da redação do jornal Agos, da minoria turco-armênia, em Istambul.

AE, Agência Estado

25 de julho de 2011 | 15h19

O tribunal inicialmente condenou Samast à prisão perpétua mas comutou a sentença porque ele tinha 17 anos e era menor de idade na época do crime, informou a agência de notícias estatal Anatólia.

Dink, que era editor-chefe do Agos, escrevia sobre o genocídio dos armênios pelos turcos otomanos, no começo do século passado. A Turquia nega as acusações de genocídio. Dink recebia ameaças de morte. Samast disse nesta segunda-feira que foi incitado ao crime pela imprensa turca porque jornais nacionalistas descreviam Dink como "traidor" nos títulos da matérias. Dink chegou a ser processado pela Justiça turca por ter escrito sobre o genocídio dos armênios.

Samast, que integrava um grupo de extremistas, ainda poderá receber uma pena adicional de 16 anos sob a acusação de terrorismo.

As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
TurquiaJustiçajornalsitaarmênios

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.