Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Jovens ativistas cubanos continuam a luta pela liberdade iniciada por seus pais e avós

Jovens ativistas cubanos continuam a luta pela liberdade iniciada por seus pais e avós

Em Miami, muitos saíram às ruas essa semana em apoio aos protestos que estavam ocorrendo em Cuba e pedindo mudanças no governo da ilha

Lori Rozsa, The Washington Post, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2021 | 15h00

MIAMI - Um pequeno grupo de idosos cubanos circulou silenciosamente o Memorial Cubano, passando lentamente os dedos sobre os nomes gravados no mármore preto.

O memorial, um obelisco de 62 pés de altura feito de mosaicos com a bandeira cubana, leva os nomes de mais de 10 mil cubanos que foram executados pelo regime Castro ou morreram no mar tentando chegar aos Estados Unidos em jangadas e barcos após fugirem do país. Un pueblo unido en el dolor", diz uma placa ao pé do monumento. "Um povo unido na dor."

No fundo, vozes gritavam em megafones de um palco: "Cuba livre! Cuba livre!" - acendendo a multidão de centenas de pessoas que compareceram a um parque na área de Miami em uma noite chuvosa para mostrar solidariedade aos cubanos que protestavam contra a ditadura na ilha.

Enquanto Alberto Jimenez, de 87 anos, estava perto do monumento ouvindo os cânticos do comício, uma chuva torrencial começou e vários jovens manifestantes imediatamente correram para protegê-lo com seus guarda-chuvas. "Não se preocupe, ficaremos aqui com você", disse Olga Rodriguez, de 18 anos, a Jimenez.

Foi o primeiro protesto de Rodriguez e seus amigos, e suas palavras tinham um significado além de apenas proteger Jimenez da chuva. Ela e as centenas de outros jovens cubanos que se juntaram aos protestos aqui e na ilha nos últimos dias refletem o que alguns consideram uma mudança geracional. Eles acreditam que podem vencer a luta iniciada por seus pais e avós. Alguns dos mais velhos também.

"Esses jovens ajudarão a fazer essa mudança pela liberdade", disse Jimenez, que nasceu em Cuba e passou 15 anos na prisão quando era jovem durante os primeiros anos do governo de Fidel Castro.

Enormes protestos de rua em Cuba no último fim de semana - as maiores manifestações contra o governo em décadas - mobilizaram jovens cubano-americanos em cidades por toda a Flórida para protestar em apoio a seus pares na ilha. 

Eles se mobilizaram ouvindo rap em Little Havana, envolveram-se em bandeiras cubanas, bloquearam as principais rodovias de Miami e Tampa e, por meio das redes sociais, compartilharam notícias e informações sobre a repressão do governo na ilha nos dias desde que os cubanos tomaram as ruas em números recorde.

Os cubano-americanos que lideram os comícios na Flórida são duas gerações distantes daqueles que lideraram a luta contra o regime de Castro no início dos anos 1960, e a maioria deles nunca esteve em Cuba. Mas eles foram criados com as histórias de seus avós e pais, muitos dos quais foram presos pelo regime comunista, ou fugiram da ilha em jangadas caseiras e sobreviveram à perigosa jornada marítima pelos estreitos da Flórida.

Osdanys Veloz, 24, planeja levar uma flotilha de apoiadores a Cuba na próxima semana. “O plano é ficar em águas internacionais, para mostrar apoio”, disse Veloz, empreiteiro de Miami. “Estamos pensando que se mostrarmos à população de Cuba que ela tem nosso apoio e estamos lá para ela, isso terá um impacto”.

Veloz quer que os capitães dos barcos disparem foguetes quando chegarem ao mar territorial de Cuba, a 12 milhas da costa. "Eles com certeza nos verão a 19 quilômetros de distância", disse ele.

A atração da pátria cubana por pessoas que nunca lá estiveram é forte entre os jovens cubano-americanos em Miami, e os protestos desta semana deram a eles uma maneira de demonstrá-lo. Danny Martinez nunca esteve em Cuba, mas seus pais nasceram lá. Eles fugiram durante o levante de barco de Mariel, a emigração em massa de mais de 120 mil cubanos para os Estados Unidos em 1980.

Martinez, 38, disse que os vídeos alarmantes dos protestos de domingo em Cuba foram um alerta para ele, especialmente quando viu a reação de sua mãe. Ele disse que sempre usou as palavras "irmãos e irmãs" para mostrar apoio aos cubanos que nunca conheceu, mas estava generalizando. "Mas percebi que, para minha mãe, esses são realmente seus irmãos e irmãs", disse.

Martinez, diretor das coalizões da Iniciativa LIBRE-Flórida, disse que ouviu histórias ao longo de sua vida sobre seus parentes que ainda estão em Cuba, mas que começou a pensar neles de forma diferente depois que eclodiram os protestos recentes.

"A dor no coração que minha mãe estava sentindo ao tentar ter certeza de que ela poderia ser responsável por todos em sua família, eu senti essa dor", disse Martinez. "Aqueles de nós nas gerações mais jovens que nunca estiveram lá e nunca encontraram uma família ainda lá, precisamos ser lembrados disso."

Daniel Pedreira, professor do Departamento de Política e Relações Internacionais da Florida International University, disse que os jovens cubanos na Flórida estão aproveitando um momento histórico. "Não vimos uma série de protestos espontâneos em nível nacional em um dia em Cuba desde o movimento de 1962", disse Pedreira, que escreveu dois livros sobre figuras políticas cubanas. "E é muito interessante ver aqui em Miami, os jovens cubano-americanos com quem conversei, há uma empolgação palpável."

Pedreira disse que os jovens cubanos na ilha cresceram em uma Cuba muito diferente daquela de onde os exilados da Flórida fugiram. O presidente cubano, Miguel Díaz-Canel, não impõe o respeito ou medo que Fidel Castro e seu irmão Raúl Castro impunham, disse ele. Os manifestantes cubanos nos Estados Unidos perceberam isso. Eles fizeram do hip-hop "Patria y Vida", gravada por um grupo de rappers dissidentes, seu hino. O vídeo do YouTube foi visto mais de 6 milhões de vezes.

"Os jovens inventam apelidos para Díaz-Canel. Eles não o respeitam", disse Pedreira. “Ele não tem controle sobre o país como os Castros tinham, e isso meio que tira o véu do medo. Agora você está vendo os cubanos mais jovens mudando o tom de como querem viver. Não estão mais falando apenas de deixar a ilha; estão falando em ficar para lutar por um futuro livre e reconstruir Cuba ”.

Gabriella Castañeda, de 25 anos, passou pela chuva no Memorial Cubano no início desta semana para se juntar ao comício. Seus pais fugiram da ilha e se estabeleceram em Miami. "Se eles forem corajosos o suficiente para ir às ruas em Cuba contra esse regime repressivo, podemos aguentar um pouco de chuva", disse Castañeda, que também participou dos protestos Black Lives Matter no verão passado após o assassinato de George Floyd. "Queremos que o povo de Cuba saiba que a comunidade exilada está com ele."

Seus pais assistiram de perto enquanto ela cantava "Si Cuba está en las calles, Miami también" (Se Cuba está nas ruas, Miami também está). "Ela sempre me diz: 'Pai, nasci nos Estados Unidos, mas meu coração é cubano'", disse seu pai, Lazaro Casteñeda.

Ele disse que não está surpreso que os jovens cubano-americanos estejam liderando manifestações de protesto, porque "a juventude, como a história mostra, é a força motriz das revoluções que criam a mudança radical". Ele disse que está orgulhoso de sua filha.

“Uma de minhas muitas tarefas como cubano exilado era difundir a cultura para minha família e não deixá-la morrer quando deixei a ilha”, disse Castañeda. "Ela é um exemplo claro de que tive sucesso."

De volta ao memorial, Jimenez agradeceu aos jovens que o abrigaram durante o aguaceiro. Então, quando eles levantaram suas vozes como parte da demonstração, ele se juntou a eles. "Patria y vida, patria y vida", eles cantavam juntos. "Pátria e vida."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.