AFP PHOTO / YAMIL LAGE
AFP PHOTO / YAMIL LAGE

Jovens cubanos driblam falta de internet para publicar vídeos no YouTube

Apesar de ilha comunista não ter acesso à rede na maioria das casas e nos celulares, cerca de 50 youtubers superam dificuldades com objetivo de influenciar nas redes sociais; para especialista, desafio é criar experiências que dialoguem com moradores de Cuba

O Estado de S.Paulo

08 Março 2018 | 14h34

HAVANA - Sem internet em casa, Frank faz uma longa caminhada até uma praça pública de Havana com acesso Wi-Fi a US$ 1 por hora. Lá, leva cerca de 40 minutos para enviar sua última produção ao YouTube: "Olá a todos, esta é uma nova aventura por Cuba".

Bulevar Cubano é a primeira loja online para consumidores dentro de Cuba

Frank Camallerys, estudante de comunicação, é um dos cerca de 50 jovens em Havana que trilham caminho como 'youtubers', estrelas e pessoas que influenciam nas redes sociais. Mas conquistar seguidores não é tarefa fácil.

Na ilha do regime comunista não há acesso à internet em todas as casas. E o monopólio estatal de telefonia ainda trabalha para implementar neste ano o acesso móvel em celulares.

"O fato de criar um vídeo, caminhar dois ou três quilômetros para enviá-lo e esperar 40 minutos para que esteja na plataforma, permite avaliar que isso é o que eu gosto", diz este jovem de 19 anos, criador do Camallerys Vlogs.

O que mudou em Cuba sob o governo de Raúl Castro

No canal, ele dá dicas de como comer nas ruas da capital cubana com apenas US$ 2 ou os melhores lugares para visitar em Havana. No começo, pedia 30 curtidas para fazer uma segunda edição de algum tema. Hoje, já tem mais de 7 mil seguidores. Mas não foi por causa do YouTube que ficou famoso em Cuba.

"O Pacote", a internet a pé

Com conexão limitada à internet, o material no YouTube que a maioria dos cidadãos do mundo acessa com seu smartphone por conexões Wi-Fi em suas casas, chega aos cubanos a pé.

Há mais de uma década, existe "O Pacote", um conjunto de conteúdos digitais que são compartilhados mão a mão por meio de cartões de memória ou Pen Drives.

Os distribuidores obtém esses programas de forma convencional e, depois, cobram cerca de US$ 1 para irem de casa em casa para que outros cubanos possam copiar episódios de novelas, o último jogo do Barcelona, a final da NBA, os programas do "The Voice" e vídeos de youtubers famosos como o chileno "Hola, soy Germán".

The Economist: Havana já não tem para onde atirar

Os "pacotes", que são atualizados semanalmente, também são uma forma de popularizar os youtubers cubanos. Foi assim que Emma López, de 18 anos, começou a ganhar fama na ilha para seu canal Emma Style. "Meu primeiro vídeo teve algo como três visualizações até que começou a circular no Pacote, o que me destacou e assim cheguei ao país inteiro", confessa. Depois, os cubanos passaram a procurar as criações de Emma no YouTube quando se conectavam ao site nas praças de Havana

Ela é uma maquiadora que dá conselho para garotas, se adaptando com habilidade à realidade de muitos dos seus seguidores: "Imaginem que estou vestida de roxo" ou "se não tem pincel (para a sombra dos olhos) usem seus dedos", são algumas das suas dicas.

"Normalmente quando um youtuber começa sua carreira, espera ter o apoio de seu público. Mas, dos meu seguidores, uma porcentagem mínima está em Cuba. Os youtubers em Havana não devem chegar nem a 50", conta Pedro Veitía, de 24 anos, com seu canal de miscelânea "Pedrito el paketero".

Desafio com o público

Segundo cálculos citados pelo governo cubano, cerca de 4,5 milhões de pessoas dos 11 milhões de moradores da ilha acessam a internet. E, segundo estimativas informais, o Pacote pode chegar a até 9 milhões de usuários, diz Max Barbosa, professor de comunicação da Universidade de Havana.

Google fecha acordo para acelerar acesso à internet em Cuba

O governo cubano diz que tem o direito de controlar o conteúdo acessados por sua população. No entanto, não se opõe ao Pacote e até tentou competir com sua proposta "La Mochila", que funciona de forma similar para difundir conteúdos culturais aprovados.

"Apesar de não terem internet para estar conectados o tempo todo ou criar conteúdo, o fato de dizerem 'quero ser youtuber' - ainda que por vias alternativas como os Pen Drives - é um gesto louvável", considera Barbosa.

"O desafio é que comecem a criar experiências que tenham mais relação com a realidade cubana, que dialoguem diretamente com os seguidores cubanos", completa.

Emma Style sabem bem o que quer: "Não gostaríamos de ser conhecidos como youtubers cubanos porque passamos dificuldades (para enviar os vídeos) ou porque estamos em uma ilha comunista. Gostaríamos de ser reconhecidos pelo conteúdo que produzimos". / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.