Jovens do CNA pedem saída de Zuma e entram em confronto com a polícia

Protesto mostra cisão dentro do partido governista da África do Sul; líderes juvenos podem ser expulsos

Agência Estado

30 de agosto de 2011 | 10h50

Polícia tenta conter manifestação da ala jovem do CNA

 

JOHANNESBURGO - A polícia da África do Sul usou granadas de efeito moral e um canhão de água contra centenas de integrantes da liga da juventude do partido governista, que atiravam pedras contra os policiais nesta terça-feira, 30. Os manifestantes queimaram bandeiras do partido e pediam a saída do presidente, enquanto seus líderes eram levados à presença do comitê de disciplina da legenda.

 

O poderoso e mal-humorado líder da liga da juventude, Julius Malema, e outros cinco membros podem ser expulsos ou suspensos do Congresso Nacional Africano (CNA) por desacreditar o partido com seus pedidos de queda do governo da vizinha Botswana. A liga juvenil havia anunciado planos de enviar um comitê para trabalhar com partidos opositores de Botswana contra o presidente Ian Khama, que foi democraticamente eleito. A liga o acusa de cooperar com os "imperialistas" em detrimento da "agenda africana".

 

"Zuma deve ir embora", gritavam os manifestantes, ateando fogo a bandeiras do partido e a camisetas com a imagem do presidente. As ações refletem a raiva contra a medida disciplinar contra Malema e o desapontamento geral com o fato de o líder sul-africano não ter cumprido suas promessas eleitorais de enfrentar das diferenças econômicas e a pobreza, além da alta taxa de desemprego entre os jovens.

 

O apoio a Malema e à sua liga juvenil foi muito importante para leva o partido de Zuma à vitória na eleição presidencial de dezembro de 2007. "Em 2012, vamos votar em Mbalula", gritavam os manifestantes, referindo-se ao ex-presidente da liga juvenil e atual ministro dos Transportes, Fikile Mbalula, e ao congresso do CNA, que será realizado no próximo ano e terá importância fundamental para Zuma.

 

Quem quer que vença a eleição para a presidência do partido será o candidato do CNA para dirigir o país. O CNA continua a ser o maior partido sul-africano.

 

Os violentos confrontos desta terça-feira aconteceram a um quarteirão da sede do partido, no centro da cidade de Johanesburgo e duraram cerca de 45 minutos. Pelo menos dois jornalistas foram atingidos por pedras. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.