Jovens gregos colocam faixas de protesto na Acrópole

Pouco mais de dez manifestantes colocaram duas faixas gigantes de protesto escritas em preto sob fundo cor-de-rosa na Acrópole, o mais famoso monumento grego. Uma delas convocava a realização de manifestações por toda a Europa amanhã. Na outra estava escrito a palavra "resistência" em grego, inglês, italiano e alemão, numa referência aos violentos protestos ocorridos após a polícia ter matado a tiros um adolescente em Atenas.As faixas foram retiradas duas horas depois. "Não pode haver justificativa para esta ação. Isso prejudica a imagem do nosso país no exterior. É inaceitável", disse o porta-voz do governo Evangelos Antonaros. Protestos estudantis já estão marcadas para amanhã em Atenas e na segunda maior cidade do país, Tessalonica. Os atos são contra o assassinato do adolescente Alexandros Grigoropoulos, de 15 anos, pela polícia, no dia 6 de dezembro. Os tumultos que ocorreram após a morte do adolescente são os piores registrados na Grécia em décadas.Embora as manifestações violentas tenham diminuído, ataques de menor escala continuam. A polícia informou que cerca de uma dezena de jovens com motocicletas atearam fogo num ônibus da polícia no centro de Atenas. O motorista conseguiu sair do veículo e ninguém se feriu. Também hoje, cerca de 40 manifestantes ocuparam os escritórios do maior sindicato da Grécia, o GSEE. "Eu acredito que eles escolheram o alvo errado. O GSEE não governa este país. Então, é errado questionar os sindicatos de trabalhadores", disse o líder do GSEE, Yiannis Panagopoulos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.