Jovens iraquianos aprendem boas maneiras em Bagdá

Academia ensina música e etiqueta a dezenas na capital iraquiana.

BBC Brasil, BBC

25 de agosto de 2009 | 14h00

Uma instituição em Bagdá, a Academia da Paz por meio da Arte, está oferecendo aos jovens da capital iraquiana uma oportunidade de esquecer a violência ao seu redor.

Na academia, não importa se os alunos são xiitas, sunitas, curdos ou cristãos. A escola reúne crianças de todas as origens e oferece aulas de música, mas também de boas maneiras, algo que os fundadores acham que muitos jovens iraquianos perderam durante os anos de guerra.

A escola foi criada pelo diretor da Orquestra Sinfônica Nacional do Iraque, Karim Wasfi.

"Nós já vimos armas suficientes, guerras suficientes, instabilidade suficiente. Então digo: experimente uma arma e experimente um instrumento e veja o que vai trazer mais benefício para o seu futuro", explica Wasfi.

Ameaça

Em um país onde a música pode ser considerada não-islâmica, professores e alunos já receberam ameaças.

Alguns contam que já tiveram os instrumentos confiscados ou destruídos por militantes.

Yasser, um dos alunos, diz que é um risco, mas que não se importa.

"Mesmo que o risco seja grande, eu vou continuar a vir aqui e fazer algo de bom para mim", afirma ele.

Etiqueta

Aulas de etiqueta e boas maneiras são obrigatórias na academia. Assim como as lições sobre o que eles chamam de interação cívica. Em outras palavras: como ter uma conversa sem que ela vire uma briga.

A professora diz que a leveza foi uma das muitas coisas que os iraquianos perderam nos últimos anos.

Uma das alunas, Hind, diz que é muito importante saber sobre etiqueta e sobre como falar com outras pessoas.

As aulas também funcionam como uma válvula de escape, uma pausa na vida violenta em Bagdá, e os alunos dizem que isso os ajuda a sobreviver. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
iraqueacademiamusicaarteetiqueta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.