Jovens são acusados de planejar decapitação na Grã-Bretanha

Durante a audiência, os advogados dos acusados, que usavam barbas longas e túnicas cinzentas, não solicitaram a liberdade sob fiança

O Estado de S. Paulo

20 de novembro de 2014 | 16h05

LONDRES - Três residentes da Grã-Bretanha, de entre 19 e 27 anos, compareceram nesta quinta-feira, 20, perante um tribunal de Londres acusados de planejar atos de terrorismo, que incluíam decapitar alguém no país.Yoursaf Shah Syed, de 19 anos e residente no condado de Buckinghamshire (sul da Inglaterra), Nadir Ali Sayed, de 21, e Haseeb Hamayoon, de 27 anos, ambos do oeste de Londres, permanecerão em prisão preventiva até sua próxima audiência judicial, no dia 4, no tribunal penal de Old Bailey.

A polícia acusou hoje esses três suspeitos, detidos em batidas policiais no dia 6, de ter "intenção de cometer atos de terrorismo" e haver empreendido "conjuntamente preparativos a fim de realizar suas intenções". Embora não tenham dado muitos detalhes, as autoridades indicaram que a trama preparada pelo grupo implicava na decapitação de um cidadão.

Durante a audiência, de 25 minutos, os advogados dos acusados, que usavam barbas longas e túnicas cinzentas, não solicitaram a liberdade sob fiança. Por sua vez, um quarto homem detido na mesma data em Uxbridge, em Londres, foi posto em liberdade sem acusações no dia 15.

Em maio de 2013, dois britânicos islâmicos, Michael Adebolajo e Michael Adebowale, degolaram com um facão, em plena rua e perante várias testemunhas, o soldado inglês Lee Rigby no bairro de Woolwich, ao sudeste de Londres.

No dia 19 de dezembro daquele ano, os dois assassinos, capturados no local, foram condenados à prisão perpétua. / EFE
Tudo o que sabemos sobre:
Grã-BretanhadecapitaçãoLee Rigby

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.