Jovens se arriscam para participar de festas mistas no Irã

País proíbe celebrações entre homens e mulheres, alegando que práticas corrompem a sociedade

BBC

27 Setembro 2011 | 15h51

 

 

LONDRES - Garotas e garotos iranianos festejam como pessoas de qualquer parte do mundo, mas têm de fazer isso escondidos das autoridades. Isso porque o Irã proíbe festas que reúnam pessoas de sexos diferentes desde a Revolução Islâmica, em 1979.

Veja também:

especialAs punições da Sharia, a Lei Islâmica

documento As origens do sistema jurídico do Islã

A punição para quem é pego vai de multas a castigos físicos, além da humilhação pública perante a família e a comunidade. Por isso, jovens fazem o que podem para festejar sem chamar a atenção das autoridades.

 

Um deles disse à BBC, por telefone, que foi perseguido pela polícia por participar de uma festa. Segundo ele, pessoas que foram presas no episódio apanharam e foram insultadas por policiais.Recentemente, uma menina iraniana morreu depois de pular de uma janela para escapar da prisão em uma festa.

 

Outra garota contou, em entrevista, que foi presa em uma celebração de aniversário. Disse que foi tratada como se fosse uma ladra ou uma assassina. Também foi colocada em uma cela e interrogada pelas autoridades: O que você estava vestindo? Que tipo de relacionamento você tem com meninos?

As autoridades iranianas argumentam que as festas mistas corrompem os jovens do país e a moral da sociedade islâmica.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
Irã sharia Oriente Médio

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.