JP Morgan vai construir torre na área do World Trade Center

Autoridades tentam revitalizar a área destruída pelos ataques de 11 de setembro

Agencia Estado

19 Junho 2007 | 11h05

O grupo financeiro JP Morgan Chase chegou a um acordo para construir um edifício de 40 andares na "zona zero" de Nova York. A construção é um incentivo à revitalização da área castigada pelos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.O acordo foi anunciado publicamente na quinta-feira, 14, pelo governador de Nova York, Eliot Spitzer, pelo prefeito da cidade, Michael Bloomberg, e pela Autoridade de Portos de Nova York e Nova Jersey, proprietária do complexo destruído com os atentados contra o World Trade Center.Após os ataques de 2001, várias entidades financeiras e grandes corporações decidiram transferir suas sedes a outros pontos de Manhattan e ao estado vizinho de Nova Jersey, especialmente por motivos de segurança.A administração estadual e a municipal iniciaram nos últimos anos fundos e programas de ajudas e incentivos para atrair de novo as empresas ao baixo Manhattan. As autoridades tentam revitalizar a atividade econômica, que ficou muito deteriorada.O convênio assinado pelo JP Morgan é o maior obtido até agora na área. Ele permitirá a construção de um edifício de 120 mil metros quadrados, que abrigará cerca de 7 mil empregados.A entidade financeira pagará à Autoridade de Portos US$ 300 milhões pelo direito de construir o edifício no complexo. Ele será a sede central de sua unidade de bancos de investimento.Com o convênio, o JP Morgan se beneficiará de US$ 20 milhões em programas de ajudas e incentivos estabelecidos.O lugar escolhido para a nova construção é o terreno onde ficava a "torre 5", um edifício de 41 andares que no momento do ataque era ocupado pelo Deutsche Bank. A sua estrutura foi danificada pelo desmoronamento das Torres Gêmeas. Este ano começou a demolição controlada do imóvel, que ainda não terminou.Há algumas semanas, os proprietários do World Trade Center e a Silverstein Properties, a empresa que tinha arrendado o imóvel na época do ataque, chegaram um acordo com as seguradoras, que vão pagar US$ 2 bilhões.No momento dos atentados ainda não tinham sido assinadas todas as apólices de seguros, o que levou a uma intensa disputa nos tribunais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.