Judeus alemães temem extremismo no leste do país

O anti-semitismo e a xenofobia estãoalcançando níveis perigosos na Alemanha, principalmente noterritório da antiga República Democrática Alemã (RDA), disse nesta terça-feira apresidente do Conselho Central dos Judeus no país, CharlotteKnobloch. Em alguns lugares, os focos anti-semitas lembram, inclusive, omomento vivido logo após 1933, depois da chegada dos nazistas aopoder, afirmou Knobloch em entrevista coletiva com representantes deoutras organizações que lutam contra a xenofobia. Alguns números divulgados recentemente aumentaram a preocupaçãocom o aumento do neonazismo na Alemanha. Segundo esses dados, osdelitos de motivação extremista aumentaram em 20%. Em um deles foramqueimados exemplares do livro Diário de Anne Frank em Pretzien, noleste da Alemanha. O ex-porta-voz do governo Uwe-Carsten Heye sugeriu que essesdados provavelmente tinham sido ocultados para não perturbar a Copado Mundo, que foi sediada este ano na Alemanha. Tanto Knobloch quanto o ex-diretor dos Arquivos da Stasi JoachimGauck falaram sobre quais seriam os motivos que fazem com que oproblema da extrema direita seja pior no leste do país. Segundo Knobloch, na antiga RDA (Alemanha Oriental), que desde sua fundação sedefiniu como um estado antifascista, não houve um confronto queenvolvesse o nacional-socialismo. "Na RDA, o povo achava que não havia nazistas e que todos tinhamido para o oeste ou estavam mortos. Era isso que era transmitido àspessoas jovens", disse Knobloch. Segundo a presidente do Conselho Central dos Judeus, o Holocaustoera abordado superficialmente nas escolas, que se concentravam emressaltar a perseguição aos comunistas. Gauck, que é da RDA, concorda em que parte do problema da extremadireita no leste da Alemanha tem a ver com o legado da ditaduraComunista. "Na ditadura, nunca houve uma busca da verdade por meio dadiscussão, mas a imposição de verdades simplificadas. A aceitaçãodessas verdades simplificadas marcou as pessoas", disse Gauck, aoexplicar por que alguns setores do leste do país são receptíveis aosmovimentos de extrema direita. Heye falou também que a falta de presença de partidosdemocráticos em algumas regiões foi aproveitada pelo PartidoNacional-Democrata Alemão (NPD), de extrema direita, para aumentarsua faixa de seguidores no leste do país. O NPD conseguiu entrar no Parlamento regional da Saxônia e deMeclemburgo-Pomerânia Ocidental, ambos estados federados do leste dopaís, enquanto a União do Povo Alemão (DVU) também de extremadireita, tem representação parlamentar em Brandemburgo, também noleste, e em Bremen, no oeste do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.