Judeus americanos vão ajudar judeus argentinos

O rabino Marc Schneier, presidente do Conselho Norte-americano de Rabinos, afirmou que 67 mil pessoas, um terço da maior comunidade judia da América do Sul, ficaram abaixo da linha de pobreza na Argentina, com um desemprego de 20% e milhares de famílias desamparadas.A situação é tão crítica, disse o rabino numa entrevista telefônica, que 40 sinagogas de Buenos Aires e de outras localidades abriram refeitórios populares. Há casos de crianças hospitalizadas por desnutrição. "O número de famílias judias que pede ajuda cresce rapidamente todos os dias", afirmou. "São pessoas de classe média, gente educada." Schneier e Elan Steinberg, titular do Congresso Mundial Judeu, disse que o esforço conjunto de ajuda estabelece contatos entre sinagogas da América do Norte e outras da Argentina para fornecer alimentos para a Páscoa judaica, celebração que começa no anoitecer de 27 de março.Cada sinagoga é solicitada a contribuir com US$ 1,8 mil para apoiar uma congregação argentina. Schneier disse que o esforço engloba todos os movimentos judeus, desde o ortodoxo até o reformista, como também os que se consideram simplesmente humanistas. "Esta iniciativa também vai demonstrar nossa solidariedade para com os judeus argentinos e será uma fonte de vida e esperança", declarou o rabino.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.