Judeus tentam impedir passeata em Berlim

Líderes judeus pediram, nesta quinta-feira, às autoridades municipais de Berlim, que coíbam a "insuportável" idéia de uma passeata de milhares de seguidores da extrema-direita pelo antigo bairro judaico da capital, durante o fim de semana. Um partido político de extrema-direita obteve permissão para que 4.000 pessoas protestem contra uma mostra sobre crimes de guerra da era nazista cometidos pelo Exército alemão. A expectativa é de que a manifestação seja o maior protesto da extrema-direita em Berlim desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Os organizadores querem passar em frente a uma galeria, onde a mostra, denunciada por eles como "anti-germânica", é realizada desde esta quarta-feira. Porém, o percurso fará com que passem em frente a uma sinagoga restaurada, no coração do antigo bairro judaico. "É insuportável pensar que a extrema-direita possa marchar nessa área de influência judaica", reclamou Michel Friedman, vice-presidente da comunidade judaica da Alemanha, ao jornal Sueddeutsche Zeitung.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.