Judiciário iraniano forma nova equipe para casos de protestos

Sua função, segundo as fontes, será supervisionar todas as investigações e a instrução das diligências

EFE,

30 de agosto de 2009 | 04h36

O chefe do Poder Judiciário iraniano, aiatolá Sadeq Larijani, formou uma nova equipe que se encarregará de supervisionar a instrução dos casos relacionados com os distúrbios e protestos pós-eleitorais.

 

Segundo a imprensa local, a equipe é integrada pelo vice-presidente do Poder Judiciário, Ibrahim Raeesi, o novo Procurador-geral do Estado, Gholam Hussein Mohseni Ejeai e o assessor jurídico Ali Jalafi.

 

Sua função, segundo as fontes, será supervisionar todas as investigações e a instrução das diligências para garantir que os direitos dos acusados estejam sendo respeitados, e informará diretamente ao chefe do Poder Judiciário.

 

"O objetivo é levar à Justiça os culpados seja qual for sua categoria", explicou o chefe do Poder Judiciário, citado pela rede estatal "PressTV".

 

De acordo com os números oficiais, cerca de 30 pessoas morreram outras quatro mil foram detidas durante a revolta.

 

A oposição denuncia, no entanto, que o número de mortos chega a 69 e que aconteceram abusos sexuais e torturas nas prisões.

Tudo o que sabemos sobre:
diligênciasiraniano

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.