Juiz achou Pinochet "extraordinariamente normal"

O juiz Juan Guzmán ainda vai demorar alguns dias para decidir se processará o general Augusto Pinochet, como pedem seus acusadores, ou suspenderá o processo, como pedem seus defensores, mas adiantou que ao interrogar nesta terça-feira o octogenário ex-ditador encontrou-o "extraordinariamente normal". A resolução de Guzmán será anunciada no início da próxima semana, quando retornar a Santiago. O magistrado foi autorizado a tirar uns dias de descanso e deixou a capital chilena para analisar a resolução que adotará após submeter Pinochet nesta terça-feira a um breve interrogatório - uma das exigências que lhe fez a Corte Suprema antes de ele abrir processo contra o general por homicídios e seqüestros. Outra alternativa do juiz é processar Pinochet mas, ao mesmo tempo, declará-lo inimputável devido à demência vascular subcortical moderada de que sofre o general, segundo o diagnóstico apresentado pelos especialistas que o submeteram a exames neurológicos e mentais durante quatro dias. Seja qual for a sentença do juiz, as tentativas de julgar Pinochet desencadeadaas há dez meses prosseguirão com apelações e recursos apresentados pela defesa e pela acusação. Antes de sair para descansar, Guzmán declarou a um canal de televisão que pôde apreciar um Pinochet mentalmente muito normal, mas fisicamente muito deteriorado. "Ele me pareceu uma pessoa extraordinariamente normal, de grande correção, de grande valentia, de grande cavalheirismo e, quanto à sua condição física, me dei conta de que é um senhor idoso, que tem muita dificuldade de locomoção", disse Guzmán.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.