Juiz acusa membros do governo de filmar morte de Saddam

Um juiz iraquiano que esteve presente na execução do ex-presidente iraquiano Saddam Hussein, em 30 de dezembro, acusou "dois altos funcionários do governo" de filmar o enforcamento.O juiz Munqiz al-Faraón, assessor do procurador-geral no caso de Dujail, no qual Saddam foi condenado à morte por crimes contra a humanidade, fez estas acusações após a abertura de uma investigação sobre a filmagem da morte do ex-ditador iraquiano, segundo a televisão governamental iraquiana Al-Iraqiya.Faraón afirmou que os dois responsáveis filmaram a execução de Saddam com as câmaras de seus celulares, "apesar de todas as medidas de segurança adotadas". O juiz assegurou que conhece os dois responsáveis, mas se negou a identificá-los.Um comitê governamental abriu uma investigação sobre o vídeo, divulgado por diferentes canais de televisão árabes e pela internet.O objetivo da investigação é "identificar quem está por trás da filmagem", afirmou à agência de notícias EFE o deputado xiita Abbas al-Bayati, membro da Aliança Unida Iraquiana, o bloco majoritário no Parlamento. Bayati assegurou que a gravação do vídeo "é um ato que contradiz as instruções" do governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.