Juiz antecipa interrogatório de Menem

Um juiz federal que investiga a venda ilegal de armas ao Equador e à Croácia decidiu nesta segunda-feira adiantar em mais de um mês - para o dia 7 de junho - o interrogatório do ex-presidente Carlos Menem, depois de este ter pedido autorização para sair do país e passar sua lua-de-mel na Síria. A decisão foi anunciada pelo juiz Jorge Urso, que a princípio convocara Menem para depor em 13 de julho devido às suspeitas de que o ex-chefe de Estado chefiou uma "associação ilícita". Se a acusação for provada, Menem poderá ser preso. O juiz também informou ter adiantado o interrogatório do ex-chefe do Exército, tenente-general Martín Balza, inicialmente convocado para depor em 13 de junho. As resoluções foram divulgadas após o magistrado ter recebido um pedido de Menem para abandonar o país. Mariano Cavagna Martínez, advogado de defesa de Menem, disse estar surpreso com a decisão de Urso e avisou que pedirá a prorrogação da data.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.