Juiz autoriza prisão temporária de 16 guardas mexicanos

Um juiz autorizou o encarceramento de 16 policiais municipais envolvidos na matança de pelo menos 145 pessoas no Estado de Tamaulipas, no norte do México, e que foi atribuída ao cartel do narcotráfico Los Zetas. A Procuradoria Geral do México informou, em comunicado, que os guardas municipais ficarão em prisão preventiva por pelo menos 40 dias, enquanto se aprofundam as investigações por delinquência organizada, sequestro e homicídio.

AE, Agência Estado

18 de abril de 2011 | 19h37

Os policiais de San Fernando, o município onde os cadáveres foram encontrados em valas clandestinas, "supostamente colaboraram ao proporcionarem proteção ao grupo delinquente autodenominado Los Zetas, e além disso podem ter encoberto os responsáveis", conforme a procuradoria.

Além dos policiais, nos últimos dias foram detidos 28 supostos membros de Los Zetas, entre eles Martín Omar Estrada Luna, de apelido "El Kilo". "El Kilo" é considerado o chefe de Los Zetas em San Fernando e autor intelectual dos massacres.

As autoridades mexicanas acreditam que várias das pessoas mortas eram imigrantes clandestinos que foram sequestrados pelo narcotráfico quando viajavam em ônibus no norte do México, em direção aos Estados Unidos. "El Kilo" também é considerado o mentor de outro massacre, no qual foram mortos 72 imigrantes em agosto de 2010, em San Fernando. Dois brasileiros estavam entre os imigrantes chacinados. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Méxicoviolênciaprisãopolícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.