Juiz autoriza processos contra empresas aéreas pelo 11/9

A queda de um jato seqüestrado é o tipo de ?perigo previsível? contra o qual a indústria do transporte aéreo de passageiros deveria ter se prevenido, decidiu um juiz nesta terça-feira, autorizando a abertura de processos contra empresas aéreas, autoridades aeroportuárias e fabricantes de aviões por conta dos atentados terroristas de 11 de setembro de 2001.O juiz distrital Alvin Hellerstein disse que negligência na adoção de medidas de segurança pode ter contribuído para a morte de 3.000 pessoas nos ataques contra as Torres Gêmeas, o Pentágono e a queda de um avião na Pensilvânia.American e United Airlines, Boeing Co. and e a Port Authority de Nova York e New Jersey tentaram anular os processos, argumentando que não tinham o dever de prever e fornecer proteção contra o uso deliberado de aviões como mísseis por parte de terroristas suicidas.

Agencia Estado,

09 de setembro de 2003 | 15h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.