Juiz boliviano acusa Morales de denegrir o Judiciário

O presidente da Corte Suprema da Bolívia, Héctor Sandoval, acusou o governo do presidente Evo Morales de "denegrir" o Judiciário de seu país. "Há tempos que membros do governo, ministros e vice-ministros vêm denegrindo este poder do Estado", declarou Sandoval em uma entrevista publicada nesta quinta-feira, 4, no jornal chileno El Mercurio.Sandoval considerou, também, "bastante ofensiva" a intervenção do presidente boliviano na terça-feira, durante a inauguração do ano judiciário. Neste dia, Morales pediu às autoridades judiciais para que "vivam para a Justiça, e não dela". "A intervenção do presidente foi bastante ofensiva e a verdade é que isso já não nos impressiona", disse Sandoval durante a entrevista, na qual sustentou que os atritos com o Executivo vão mais além, ao assinalar que os juízes foram acusados por corrupção sem nenhuma prova."Se há corruptos, temos de identificá-los, e não acusar a esmo", declarou, acrescentando que o centro do conflito com o governo "é que nos denigre sem misericórdia, nos acusa de corrupção, o que repudiamos, pois não se pode denegrir assim a um poder do Estado".O presidente da Corte Suprema boliviana considerou também "um tema bastante polêmico" a designação, por decreto de Evo Morales, de quatro membros do tribunal de Justiça. O normal é que o Parlamento boliviano aprove por uma maioria de dois terços os candidatos para ocupar a Corte Suprema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.