Juiz britânico adia decisão sobre extradição de Assange

Suécia quer julgar fundador do Wikileaks por crimes sexuais dentro de seu território

Ap

11 de fevereiro de 2011 | 11h56

Polêmico. Assange afirma que acusações tem motivação política.

 

LONDRES - Um juiz britânico afirmou nesta sexta-feira, 11, que precisa de mais tempo para decidir se o fundador do site WikiLeaks, Julian Assange, deve ser extraditado à Suécia para enfrentar acusações de crimes sexuais, e adiou sua audiência de extradição para o dia 24 de fevereiro.

 

Assange, um australiano especialista em computação de 39 anos, enfureceu o governo norte-americano ao divulgar milhares de documentos diplomáticos secretos dos Estados Unidos em seu site.

 

A Suécia pediu a extradição dele para que possa responder a acusações de comportamento sexual impróprio feitas por duas voluntárias do WikiLeaks.

 

O juiz Howard Riddle se pronunciou depois de três dias de audiência no tribunal de Belmarsh, no sudeste de Londres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.