Juiz britânico se nega a deter ministro israelense

Um juiz britânico se recusou a emitir uma ordem de prisão contra o ministro da Defesa de Israel, Shaul Mofaz, afirmando que o dignitário goza de imunidade diplomática. O magistrado Christopher Pratt negou o pedido de um advogado para que Mofaz fosse detido durante sua visita de hoje a Londres, por acusações de ter cometido ou colaborado em "graves violações" da Convenção de Genebra durante a repressão israelense ao levante palestino.Pratt concordou com a gravidade das acusações, mas afirmou que, conforme o direito internacional, o ministro goza de imunidade. "Um ministro de Defesa adquire automaticamente imunidade de Estado, da mesma foram que um chanceler", disse o juiz.O pedido foi formulado pelo advogado Michel Massih, que denunciou a morte ou ferimentos em mais de 50 pessoas, incluindo o ativista britânico Tom Hurndall; a demolição de casas e o uso excessivo da força por parte dos militares do Estado judeu. "O dever do Reino Unido é o de assegurar o cumprimento da Convenção de Genebra e a única forma de fazê-lo é ordenando a detenção do general Mofaz", disse o advogado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.