Juiz de NY decide em favor de jordaniano suspeito de ligações com terroristas

Uma investigação conduzida em NovaYork sobre um jordaniano supostamente ligado aos terroristassuicidas dos atentados de 11 de setembro e deixada sem efeitohoje por um juiz poderá agora influenciar o curso de outrascausas vinculadas ao terrorismo islâmico. A investigação, declarada sem efeito por um juiz federal deNova York, beneficiou Osama Awadallah, de 21 anos, um estudantejordaniano que havia sido detido pelo FBI em San Diego,Califórnia, em 21 de setembro do ano passado. Awadallah era acusado de ter mentido sobre seus vínculos comdois terroristas mortos durante os atentados em Nova York eWashington. Segundo o juiz, a detenção do jovem foi ilegal ebaseada em elementos insuficientes. Além disso, o jordanianopermaneceu detido em uma prisão por três meses antes que suaposição fosse reconsiderada. O caso Awadallah pode agora estabelecer um precedente einfluenciar o curso de outras investigações que surgiram depoisdos atentados de 11 de setembro. Uma destas investigações está em andamento atualmente emChicago, e foi acelerada de forma inesperada logo após oestudante jordaniano ter sido libertado em Manhattan. A investigação busca determinar a suposta relação de umaentidade filantrópica de origem islâmica com Osama bin Laden,líder da rede Al-Qaeda e homem mais procurado pelos EstadosUnidos. O diretor-executivo da Benevolence International Foundation,Enaan Arnaout, foi detido sob acusação de ter mentido em algunsinterrogatórios realizados pelo FBI. Segundo os agentes que interrogaram Arnaout, ele mantevenumerosos contatos com Bin Laden "e com muitos de seuscúmplices há mais de uma década". Arnaout havia sido submetido a um interrogatório por parte doFBI em 14 de dezembro do ano passado. À época, ele negoucategoricamente qualquer vínculo com organizações terroristas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.