Juiz decreta prisão preventiva de onze acusados de terrorismo

Um juiz britânico decretou nesta terça-feira a prisãopreventiva de onze pessoas acusadas de terrorismo pelo envolvimentoem um suposto plano para explodir aviões durante vôos entre o ReinoUnido e os Estados Unidos. Os supostos terroristas, todos muçulmanos britânicos e a maioria de origem paquistanesa, compareceram perante o tribunal de Westminster, no centro de Londres, depois que a Promotoria britânica apresentou as acusações contra eles na segunda-feira. Os suspeitos foram levados da delegacia de segurança máxima de Paddington Green para o tribunal em um comboio fortemente escoltado por policiais. Em uma audiência de mais de quatro horas, os acusados selimitaram a confirmar seus nomes e endereços diante dos advogados de defesa, da chefe da divisão antiterrorista da Promotoria, Susan Hemming, e vários jornalistas. Oito dos suspeitos, de entre 19 e 28 anos e moradores deWalthamstow, Leyton, em Londres, e de High Wycombe, emBuckinghamshire, são acusados de conspirar para cometer atentados. A Polícia, que desarticulou o plano em 10 de agosto, suspeita que os indivíduos pretendiam embarcar com explosivos líquidos escondidos na bagagem de mão em dez aviões e os detonariam durante vôos entre oReino Unido e os EUA. O juiz de turno, Timothy Workman, decretou a prisão preventiva de oito dos suspeitos até 4 de setembro, quando deverão testemunhar novamente perante o tribunal penal de Old Bailey. Um jovem de 17 anos acusado de ter material que poderia ser usado para cometer atos terroristas teve a prisão preventiva decretada até 29 de agosto, quando voltará a depor. Segundo a Promotoria, o menor tinha um manual de fabricação de bombas caseiras, bilhetes suicidas e testamentos "com as identidades das pessoas preparadas para cometer atentados de terroristas". Um homem e uma mulher de 23 anos foram acusados de ocultarinformação útil para impedir os atentados e ficarão detidos até 19 de setembro, quando se apresentarão ao juiz. Na segunda-feira a Scotland Yard libertou uma mulher detida por envolvimento com a conspiração, enquanto continuam osinterrogatórios dos onze suspeitos. A Polícia tem até quarta-feira para deter os suspeitos e, sequiser prorrogar as prisões, deve pedir uma permissão judicial, pois em caso contrário terá que apresentar acusações ou colocá-los em liberdade. Em 10 de agosto, 24 pessoas foram detidas em operações emWalthamstow, High Wycombe e Birmingham, no centro da Inglaterra. Na segunda-feira, o chefe da brigada antiterrorista da Scotland Yard, subcomissário Peter Clarke, ressaltou a magnitude da investigação, que, na sua opinião, deve se espalhar pelo mundo. Clarke disse que a Polícia revistou 69 casas, estabelecimentos comerciais, veículos e espaços públicos. Além disso, os investigadores descobriram material para afabricação de explosivos, como componentes elétricos e substâncias químicas, como peróxido de hidrogênio. A Polícia também apreendeu mais de 400 computadores, 200telefones celulares e 8.000 artigos eletrônicos, como CDs e DVDs, entre eles gravações nas quais os supostos terroristas mencionam a vontade de cometer atentados suicidas. Paralela à investigação no Reino Unido, pelo menos 17 pessoas, incluindo dois britânicos, foram detidos no Paquistão por sua suposta participação na trama.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.