Juiz dita prisão preventiva de dois suspeitos de complô aéreo

Dois homens acusados de envolvimento em um plano para derrubar aviões em pleno vôo entre Reino Unido e Estados Unidos permanecerão em prisão preventiva até o próximo dia 18, ditou nesta quinta-feira pelo juiz britânico Anthony Evans.Os suspeitos são Donald Stewart Whyte, de 21 anos, e Mohammed Usman Saddique, de 24, acusados pela polícia na quarta-feira de preparar atos terroristas.Vestidos com uma camiseta branca e com barba, Whyte e Saddique compareceram nesta quinta-feira ao tribunal de Westminster (centro de Londres), em uma audiência na qual confirmaram seus nomes e endereços.O juiz ordenou que os supostos terroristas permaneçam em prisão preventiva até o dia 18 de setembro, quando deverão testemunhar no tribunal penal londrino de Old Bailey. Evans rejeitou, além disso, um pedido de liberdade sob fiança apresentado pelo advogado de Saddique. Whyte e Saddique foram acusados de ter planos para tentar "introduzir componentes de artefatos explosivos improvisados em um avião para montá-los e detoná-los a bordo", entre 1º de janeiro e 10 de agosto deste ano, informou a Scotland Yard.A polícia suspeita que os dois pretendiam explodir substâncias líquidas, camufladas na bagagem de mão, em até dez aviões em rotas entre Reino Unido e Estados Unidos.Outras 11 pessoas enfrentam a mesma acusação de envolvimento no plano terrorista, além de serem acusadas de conspirar para assassinar.Stewart também é processado por posse de ilegal de armas de fogo - uma pistola Baikal de oito milímetros e um silenciador.A Scotland Yard libertou outros três indivíduos na noite passada sem qualquer acusação.SuspeitosOs cinco homens se transformaram nos primeiros suspeitos aos quais se aplicou o novo prazo máximo de detenção sem acusações, previsto pela nova lei antiterrorista - em vigor desde este ano -, que passou de 14 a 28 dias.Os cinco suspeitos fazem parte das 24 pessoas detidas entre 9 e 10 de agosto, quando a Polícia disse ter frustrado uma suposta conspiração para derrubar aviões transatlânticos com explosivos líquidos.De todos os suspeitos, 17 já foram acusados formalmente de crimes de terrorismo, enquanto os sete restantes foram libertados sem acusações.A desarticulação da suposta trama terrorista provocou o caos nos aeroportos britânicos, sobretudo nos terminais de Londres, que chegaram a suspender mais de mil vôos devido aos atrasos ocasionados pelos estritos controles de segurança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.