Juiz do Irã sentencia cidadão dos EUA à morte

Um ex-fuzileiro naval norte-americano, que também tem cidadania iraniana, foi sentenciado à morte por um juiz iraniano por espionar para a CIA, informou a agência Fars nesta segunda-feira. Amir Mirzai Hekmati, de 28 anos, foi "sentenciado à morte por cooperar com uma nação hostil, ser membro da CIA e tentar implicar o Irã em terrorismo", segundo o veredicto, de acordo com a Fars.

AE, Agência Estado

09 de janeiro de 2012 | 09h01

Hekmati, nascido nos EUA de uma família iraniana, foi mostrado pela televisão estatal iraniana em meados de dezembro, dizendo em farsi fluente e em inglês que era ligado à CIA e havia sido enviado ao país para se infiltrar no Ministério de Inteligência iraniano. Ele havia sido preso meses antes.

Funcionários iranianos disseram que o disfarce dele foi descoberto por agentes do Irã que o flagraram na base militar aérea de Bagram, operada pelos EUA, no vizinho Afeganistão. A família de Hekmati, porém, disse que ele havia viajado ao Irã para visitar suas avós e que não era um espião.

Na única audiência do caso, em 27 de dezembro, promotores disseram confiar na "confissão" de Hekmati de que ele tentou penetrar na inteligência iraniana. Os EUA exigiram a libertação do suspeito. O Departamento de Estado afirmou que o Irã não permitiu que diplomatas da embaixada suíça - que cuidam dos interesses dos EUA, já que estão rompidas as relações entre Washington e Teerã - vissem Hekmati antes ou durante seu julgamento. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãespiãoEUAcondenação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.