Juiz dos EUA condena Irã a indenizar por terrorismo

Um juiz federal americano condenou o governo do Irã a pagar mais de US$ 400 milhões por danos a oito cidadãos americanos feridos em um atentado suicida em 1997 em Jerusalém. O atentado foi perpetrado pelo grupo palestino Hamas, mas como o Departamento de Estado dos EUA afirma que o Hamas recebe treinamento do Irã, o juiz Ricardo Urbina condenou o país. O processo está entre dúzias de outros que foram movidos contra o Irã por cidadãos americanos. Uma lei promulgada em 1996 permite a americanos processarem países classificados pelos EUA como apoiadores do terrorismo por danos sofridos em atos terroristas. O governo iraniano nunca respondeu a nenhum destes processos. O juiz determinou o pagamento de cerca de US$ 110 milhões em compensação por danos aos oito americanos, US$ 13,5 milhões por danos emocionais sofridos pelas famílias das vítimas, e mais US$ 300 como punição, para serem distribuídos entre as vítimas. Vítimas do terrorismo que ganham processos contra o Irã podem receber parte de suas compensações do governo dos EUA, que paga com dinheiro iraniano congelado nos país. O ataque de setembro de 1997 em Jerusalém matou cinco pessoas e feriu perto de 200.

Agencia Estado,

15 de setembro de 2003 | 17h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.