Juiz dos EUA libera acusados de matar iraquianos

Um juiz norte-americano retirou hoje todas as acusações contra os guardas da Blackwater Worldwide acusados de matar civis iraquianos desarmados numa interseção de Bagdá em 2007.

AE-AP, Agencia Estado

31 de dezembro de 2009 | 20h23

O juiz distrital Ricardo Urbina disse que os promotores do Departamento de Justiça construíram o caso de forma inapropriada, já que foram baseados em confissões feitas sob a promessa de imunidade. Urbina disse que as explanações do governo foram "contraditórias, infieis e tem falta de credibilidade".

O tiroteio de 2007 na praça Nisoor deixou 17 iraquianos mortos e inflamou o sentimento antiamericano no exterior. O governo iraquiano queria que os guardas fossem julgados no Iraque e representantes iraquianos disseram que iriam observar de perto como o sistema judiciário norte-americano iria lidar com o caso.

Os funcionários da Blackwater haviam sido contratados para fazer a segurança de diplomatas norte-americanos no Iraque. O incidente prejudicou a imagem da empresa que, desde então, mudou de comando e passou a se chamar Xe Services.

Tudo o que sabemos sobre:
EUABlackwaterterrorismoIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.